sexta-feira, julho 19, 2024
spot_img
More

    últimos posts

    OTAN realiza maior exercício militar desde a Guerra Fria: 90.000 Soldados simulam ataque Russo

    A OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) está a traçar estratégias para enviar 90.000 soldados, marcando o seu exercício militar mais extenso desde a Guerra Fria

    Esta iniciativa foi concebida para servir de dissuasão para Vladimir Putin, o Presidente da Rússia. O objectivo é provavelmente demonstrar a prontidão e as capacidades da OTAN, enfatizando o seu compromisso com a defesa colectiva e dissuadindo quaisquer potenciais acções agressivas por parte da Rússia. As manobras militares desta escala destinam-se frequentemente a demonstrar força, unidade e preparação entre os países membros da OTAN.

    Os Estados Bálticos, considerados particularmente vulneráveis a um potencial ataque russo, servirão também como local chave para os exercícios militares.

    As tropas que participarão nas manobras serão oriundas de países membros da NATO e da Suécia, que aspira aderir à aliança num futuro próximo.

    Confira: Javier Milei expressa intenção de manter relacionamento maduro e empresarial com o Brasil

    Durante a cimeira da NATO de 2023 em Vilnius, Lituânia, os aliados aprovaram planos regionais que marcaram o fim de uma era em que o bloco militar considerava desnecessários planos de defesa em grande escala, dado que os conflitos se centravam principalmente no Médio Oriente ou no Afeganistão. O bloco já se sentia seguro de que a ameaça da Rússia tinha diminuído.

    Os últimos exercícios de escala comparável foram os exercícios Reforger em 1988 durante a Guerra Fria, envolvendo 125.000 participantes, e os exercícios Trident Juncture em 2018 com 50.000 participantes, conforme relatado pela OTAN.

    Programados entre o final de janeiro e maio, os exercícios Steadfast Defender 2024 envolverão países membros da OTAN e a Suécia, marcando as maiores manobras militares desde a Guerra Fria, conforme relatado pela Reuters.

    Os militares deverão participar numa sequência de exercícios colaborativos centrados num cenário que simula um “ataque russo”, conforme indicado pelo General Christopher Cavoli, Comandante Supremo Aliado da OTAN na Europa.

    “Cavoli afirmou que este reforço ocorrerá no contexto de um cenário simulado de conflito emergente envolvendo um adversário próximo do mesmo nível.

    Embora a declaração não identifique explicitamente a Rússia, vale a pena notar que num comunicado emitido durante a cimeira de Vilnius em Julho de 2023, os países da NATO referiram-se especificamente à Rússia como a ameaça mais significativa, sublinhando ao mesmo tempo que evitam procurar o confronto.

    Em junho de 2023, a OTAN organizou os seus exercícios aéreos militares mais extensos até à data, conhecidos como Air Defender 23. Isto envolveu a participação de quase 10.000 militares e 250 aeronaves de 25 países.”

    spot_img
    spot_img

    últimos posts

    spot_imgspot_img

    Veja mais