quinta-feira, julho 18, 2024
spot_img
More

    últimos posts

    Palestinos sofrem ataque buscando comida em Gaza

    Palestinos disseram que tropas israelenses atiraram em pessoas em busca de alimentos

    Tropas israelenses efetuaram disparos contra centenas de indivíduos aguardando por assistência alimentar ao sudoeste da Cidade de Gaza, culminando na morte de, no mínimo, 112 palestinos e lesões em mais de 750.

    O episódio se desenrolou aproximadamente às 04:30, horário local (02:30 GMT), na quinta-feira (29), momento em que uma multidão se formou na Rua Harun al-Rashid em Gaza, na expectativa de caminhões de ajuda carregados de farinha. Uma caravana composta por 31 caminhões adentrou Gaza, mas apenas cerca de 20 alcançaram o norte na segunda e terça-feira.

    Confira: Apple e Google podem compartilhar informações com Governos”

    Grandes grupos de pessoas esperavam pela ajuda e foram alvejados por vários equipamentos militares, de acordo com Hani Mahmoud da Al Jazeera. As pessoas agarraram caixas de farinha e alimentos enlatados dos caminhões.

    Após a cessação inicial dos disparos, as pessoas retornaram aos caminhões, momento em que os soldados abriram fogo novamente. Tanques israelenses então avançaram, atropelando muitos dos mortos e feridos, conforme reportagem de Ismail al-Ghoul, da Al Jazeera, diretamente do local.

    Os palestinos em Gaza disseram que as forças israelenses realizaram um massacre atirando em uma multidão de pessoas que estavam esperando para coletar ajuda alimentar desesperadamente necessária. De acordo com Mahmoud da Al Jazeera, quanto mais ele falava com as pessoas, “mais claro se tornava que eles sentiam que era uma armadilha, uma emboscada”.

    “Viemos aqui em busca de auxílio. Estou esperando desde o meio-dia de ontem. Por volta das 4:30 da madrugada, os caminhões começaram a chegar. Os israelenses simplesmente abriram fogo contra nós, como se fosse uma armadilha. Assim que nos aproximamos dos caminhões de ajuda, os tanques e aviões de guerra israelenses começaram a disparar contra nós,” relatou uma testemunha no local à Al Jazeera.

    Testemunhas disseram que a debandada aconteceu como resultado dos tiros israelenses e que os caminhões também passaram por cima de pessoas feridas, aumentando o número de mortos. A Al Jazeera verificou que carroças de burro foram usadas para levar pessoas ao hospital porque nenhuma ambulância conseguiu alcançar a área.

    “Íamos buscar farinha… então atiradores israelenses atiraram em nós,” outra pessoa na área contou à Al Jazeera. “Eles me atiraram na perna. Não consigo me levantar,” ele adicionou.

    O que Israel disse?

    O exército israelense disse que os caminhões eram gerenciados por contratados privados como parte de uma operação de ajuda supervisionada por eles durante as últimas quatro noites.

    Mas a versão israelense dos eventos mudou ao longo do dia.

    Reportando-se de Jerusalém Oriental ocupada, Bernard Smith, da Al Jazeera, disse que o exército israelense “inicialmente tentou atribuir a culpa à multidão”, afirmando que dezenas foram feridas como consequência de serem esmagadas e pisoteadas numa debandada quando os caminhões de ajuda chegaram.

    “E então, após algum questionamento, os israelenses passaram a dizer que suas tropas se sentiram ameaçadas, que centenas de pessoas se aproximaram de suas tropas de uma maneira que representava uma ameaça para eles, então responderam abrindo fogo,” adicionou Smith. Contudo, não explicaram como essas pessoas representavam uma ameaça.

    Testemunhas insistiram que a debandada aconteceu apenas depois que as tropas israelenses começaram a atirar em pessoas procurando por comida.

    Qual é a situação atual da ajuda em Gaza?

    Desde o início da guerra, agências de ajuda afirmam que Israel tem atrasado as entregas. Israel nega a alegação.

    “O risco de fome está sendo alimentado pela incapacidade de trazer suprimentos críticos de alimentos para Gaza em quantidades suficientes, e pelas condições de operação quase impossíveis enfrentadas por nossa equipe no terreno,” disse Skau.

    Ele descreveu as condições perigosas para os caminhões do PMA tentando levar alimentos para o norte no início deste mês. “Houve atrasos nos postos de controle; eles enfrentaram tiros e outras violências; alimentos foram saqueados ao longo do caminho; e no seu destino, foram sobrecarregados por pessoas desesperadamente famintas,” ele adicionou.

    Um mês atrás, a Corte Internacional de Justiça (CIJ) em Haia disse que Israel deve fazer tudo ao seu alcance para prevenir atos genocidas no território.

    Mas, segundo grupos de direitos humanos, incluindo a Anistia Internacional e a Human Rights Watch, Israel “falhou em tomar até mesmo os passos mínimos para cumprir”.

    O número de caminhões diminuiu em 40 por cento desde a decisão da CIJ, de acordo com o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

    Quais foram as reações?

    O gabinete do Presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, condenou o que descreveu como um “massacre feio conduzido pelo exército de ocupação israelense”.

    O chefe da ONU, António Guterres, também condenou o incidente.

    “Condeno o incidente de quinta-feira em Gaza, no qual mais de 100 pessoas foram relatadas como mortas ou feridas enquanto buscavam ajuda vital,” ele disse. “Os civis desesperados em Gaza precisam de ajuda urgente, incluindo aqueles no norte onde a ONU não conseguiu entregar ajuda em mais de uma semana.”

    O governo dos EUA disse que estava buscando respostas de Israel – embora tenha se recusado a condenar diretamente os assassinatos.

    “Longe demais palestinos inocentes foram mortos ao longo deste conflito, não apenas hoje, mas nos últimos quase cinco meses,” disse o porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, em uma coletiva de imprensa.

    “Estivemos em contato com o governo israelense desde cedo esta manhã e entendemos que uma investigação está em andamento. Estaremos monitorando essa investigação de perto e pressionando por respostas,” adicionou Miller.

    O Ministério das Relações Exteriores da Jordânia condenou o ataque também.

    “Condenamos o alvo brutal das forças de ocupação israelenses ao agrupamento de palestinos que estavam esperando por ajuda na rotatória Nabulsi perto da Rua Al-Rashid em Gaza,” disse em um comunicado.

    A Arábia Saudita chamou a comunidade internacional “a tomar uma posição firme obrigando Israel a respeitar o direito humanitário internacional”.

    O Presidente da Colômbia, Gustavo Petro, disse que seu governo estava suspendendo compras de armas de Israel.

    “Pedindo por comida, mais de 100 palestinos foram mortos por Netanyahu,” Petro disse. “Isso é chamado de genocídio e lembra o Holocausto mesmo que as potências mundiais não gostem de reconhecê-lo. O mundo deve bloquear Netanyahu. A Colômbia suspende todas as compras de armas de Israel,” ele disse no X.

    Na França, o Presidente Emmanuel Macron também expressou sua “mais forte condenação”.

    O que isso significa para a guerra?

    O assassinato de quinta-feira é um dos incidentes individuais mais mortais na guerra de Israel contra Gaza.

    Confira: Convide seu amigo e ganhe R$ 200

    Ele também ocorreu em meio a negociações entre Israel e Hamas que visavam alcançar um acordo para pausar os combates e permitir a entrada de ajuda humanitária em Gaza.

    Após o tiroteio, o Hamas lançou um comunicado advertindo que poderia parar de participar nas negociações.

    Na segunda-feira, o Presidente dos EUA, Joe Biden, estava otimista e disse que esperava que houvesse um cessar-fogo até “a próxima segunda-feira”.

    No entanto, Israel e Hamas posteriormente minimizaram as perspectivas de um avanço imediato em suas conversas, e Biden mais tarde reconheceu que uma trégua poderia demorar.

    De acordo com a Casa Branca, Biden esteve recentemente em contato com os líderes do Catar e do Egito em esforços para continuar as negociações.

    spot_img
    spot_img

    últimos posts

    spot_imgspot_img

    Veja mais